Quase

writen

Meu deus quase um ano sem postar.

Um ano.

Sabe o mais difícil? Eu gostaria de estar somente a uma semana sem postar.

Mas vamos lá.

Segundo semestre de engenharia civil e ainda acredito ser o que quero para o resto da vida. Números e desenhos juntos? E ainda posso ganhar dinheiro com isso? Para mim está perfeito (podem me achar estranha, mas amo exatas). Primeiro semestre passou que eu só vi quando estava de férias. Ah, as férias! Digamos que eu não posso tirar férias, não sou o tipo de pessoa que fica feliz em fazer nada por trinta dias. Talvez uma semana, mas de jeito nenhum quatro. Enfim.

Me aproximo lentamente dos meus dois anos de namoro e não poderia estar mais feliz com isso, pois com todos os problemas e neuras que possuo, ele ainda quer estar ao meu lado. E quero também agradecer às minhas amizades que com tudo isso permanecem verdadeiras. God bless!

Embora tudo pareça lindo, nem tudo é maravilhoso. Sou o tipo de pessoa que se assemelha aos comediantes: querem fazer todos riem, são palhaços e tudo mais, porém vivem em conflito interior e às vezes passam por uma “depressão”. Fazer o quê né? Mas tudo corre bem, tudo vai se acertando.

É só isso por enquanto. Espero não ficar tanto tempo sem escrever… Espero.

“Não quero nunca renunciar à liberdade deliciosa de me enganar. Che Guevara”

 

Eterno

Talvez todos os pensamentos me escapassem naquele momento, menos a certeza de que quero passar minha vida inteira ao seu lado. Ficaria a tarde inteira abraçada, olhando pro nada e pra tudo ao mesmo tempo. Sentindo seu cheiro, confortando-me em seus braços. Real e surreal. Não me importava mais os problemas que me desconfortavam durante os dias, porque naquele momento eu apenas me preocupava em não sair dali nunca. Não sentia mais o frio, pois você me protegia dele. Naquele momento eu somente desejava que a tarde fosse eterna, que os minutos se arrastassem para que eu nunca saísse do seu abraço. O dia acabou e o amor que tanto crescia em mim aumentou infinitamente. Case-se comigo, viva mais mil momentos ao meu lado e, principalmente não se esqueça que eu o amo demais. E que seja infinito enquando dure [pra sempre]. Te amo demais mô.

Mais uma vez

Ano novo chegando, pois é. E mais uma vez trago um clichê: como o ano passou rápido! – desculpem, é inevitável. E com mais um ano, vem mais sonhos. Sonhos de um ano melhor, de pessoas melhores… talvez seja uma ideia até utópica, mas penso por que não? Por que não desejar sempre o melhor? Querer subir mais alto, com os degraus das próprias conquistas, sem utilizar pessoas como chão e sim como ajuda, como compania na subida. Por que não ajudar o próximo sem ter retorno? Boas ações trazem boas ações, aprendam. Vamos ter nossos defeitos, claro, quem não tem? Mas por que não querer diminuí-los? Aos poucos um ano bom vão se construindo e no fim, em dezembro que vem além de cada um falar de como rápido passou o ano, falaremos que 2012 valeu a pena. Por que não?

25

Desejo para todos vocês um feliz natal, um natal alegre, com a família ou com quem você se sinta bem. Um abraço apertado, aconchegante. Um dia feliz e que possa comemorá-lo da melhor forma possível, sem esquecer o motivo pelo qual todos estão comemorando. Enfim, feliz natal. 😀

Observação

Eu tinha sonhos. Sonhos de como seria alguém bom pra mim e tudo mais.  Meus sonhos não se realizaram, concordo. Eles se superaram. Cada detalhe que pensei ter na minha perfeição imaginária foi simplismente um grão de areia ao lado da rocha com quem hoje vivo meus dias e noites. Simples, perfeito em seus defeitos. Com ele, quero viver a eternidade, amar incondicionalmente a cada dia e noite. Tudo o que eu puder, e nada mais.

Amarga nostalgia

Toda vez que eu chegava na casa dele, era recebida com um abraço caloroso e com seu sorriso. Ele era o tipo de pessoa que gosta de fazer coisas com as mãos. Fazia brinquedos de madeira, cadeirinhas, consertava as coisas de casa e tinha uma coleções de botões de camisa, que ficava dentro de uma gaveta unidos por um arame. Suas feições são fortes em minha mente. Seu óculos quadrado e seu cheirinho de pessoa idosa – mas não tanto. Eu poderia dizer que gostava dele, mas não seria verdade, porque eu ainda gosto. Ele se mudou, não o vi mais. Algum motivo fez com que minha única conexão com ele se perdesse. E agora… me resta essa saudade, profunda, dolorida, ardente. Ninguém sabe, mas eu sinto muita saudade dele. E uma das coisas que eu desejaria é um abraço dele, sem necessidade nenhuma de palavras. Porque ele não está aqui? Porque não está me abraçando agora? Falando o quanto eu cresci? Me contando sobre alguma coisa? Lembro de quando ele ia para fora, no jardim fumar, sem nenhum motivo especial a não seu eu. Não queria que eu sentisse a fumaça. E eu ficava olhando pela janela, ele olhava os pássaros, falava o quanto tal flor era bonita e que uma árvore ficaria ótima naquele espaço. Dói, dói demais não saber dele, se está feliz, passando bem ou se está em um lugar melhor. Só queria um abraço dele… só um bastaria pra compensar todos esses anos. Só um.

Pouco muito tempo

Tempo, tempo ao tempo. Meus horóscopos – lê-se vícios – dizendo coisas e coisas sobre boas novas, que espero que venham logo. Planos para o fim de semana, esse e o próximo. A esperança de que em algum desses sábados meu sapo venha me visitar, venha me ver e dizer que é meu príncipe, porque, vamos ser sinceras, quem não quer a pessoa certa o mais rápido possível? Pois é.

Pode ser que no futuro, eu olhe para trás e perceba como foi bom ter ido naquele churrasco ou como foi bom eu ter ficado em casa aquele dia ou até se eu não tivesse me arriscado, não estaria com quem estou hoje. Quero aquela coisa linda de duas pessoas bobas, enbriagadas pela paixão e fazendo promessas. Quero acordar e pensar que mais tarde verei a – talvez – razão de tudo. Quero sentir isso de novo, mas quero que desta vez não haja mentiras, e sim algo bom, natural, saudável. Aquilo entre duas pessoas bobas.

Não é certo apressar o que não é para ser agora, tem uma linha tênua entre o presente e o suposto bom futuro, o tempo. Ele não é cruel, nem bom, apenas está ali e ali permanesce, com a rotina de sempre, as 24hs de um dia ou os 60 segundos de um minuto. Sempre igual porém ao nosso ver tão diferente. Paciência. Não vou conseguir as coisas mais rápido se adiantar meus relógios, tenho que deixá-los funcionar. Tempo ao tempo e talvez encontre quem eu quero, a minha pessoa boba.

I’m your little girl, I promise

Não fica assim, não é motivo para você se culpar ou lamentar. Uma hora ou outra isso ia acontecer, não tem outra alternativa. Agora é o começo do que você estava adiando faz algum tempo. Não te pedirei mais aqueles sapatinhos fofos da Barbie. Nem pedirei dinheiro para comprar uma boneca. Faz tempo isso e a cada vez mais vem mudando. Sapatinhos boneca estão virando salto alto. Barbies viram bolsas. Dinheiro para doce agora é gasto em um shopping ou em saídas agora noturnas. E aos poucos isso tudo vai chegar a um ponto que estarei irreconhecível para você, a pessoa que me viu fazer estripulias só para fugir do banho. Agora ela já é uma garota se transformando em mulher. Cada vez mais você ouve pedidos para deixar eu sair com as amigas. E você deixa, contrariada, se pudesse me prender, eu ficaria ao seu lado o tempo todo, para que nenhum “garotinho” chegue perto de mim. Haha, tão fofa… Eu posso crescer, eu posso mudar meu estilo, aumentar minha altura com sapatos, começar a andar com bolsas coloridas e brincos grandes, mas lembre-se uma coisa: Eu sempre vou ser a sua garotinha, a garotinha que ia pedir pra mamãe ir pegar suas bonecas encima do guarda-roupa. A única diferença é que hoje eu peço para mamãe ir comprar roupas comigo, mas ainda sou a garotinha.

Dúvida

Olá 😀

Ás vezes a dúvida me assola de maneira significativas. Não sei quando, nem onde, nem porque e nem em que tempo. Quero que tudo de minha lista de desejos se torne real por completo, mas a dúvida vem e lá se vão alguns sonhos pro lixo. Será que vale a pena? Será que isso depois poderá me prejudicar? Não sei, não sei.

E no fim, o que vale não é o resultado e sim o camilho e sua preserverança não é? Sim, mas o medo ás vezes me visita e deixa aquela dúvida. E se o caminho que eu seguir só fizer eu quebrar a cara continuamente e não ter final feliz? Escolhas que geram dúvidas e dúvidas geradas pelo medo de fazer algo que possa ter consequências sérias no fim.

E no final eu fico dividida como se estivesse parada em frente a uma bifurcação.

Kisses ;*