“Normal”

Ei, não sou normal! E nem sou anormal, pra mim quem é anormal é E.T. e eu não sou um. Não sei se conseguiria mudar meu jeito por muito tempo, apenas por algumas horas. Talvez ficar quieta no meu canto, mas já digo que se estou assim, ou é porque estou doente ou porque estou triste. Meu normal é falando, falando com alguém, seja de mim, dela, da vida ou mesmo do tempo. Não gosto nem um pouco de ter que me policiar só para não parecer um louco rindo. Eu rio alto sim, fazer o que? Outra, não sou nem normal nem anormal, sou o meio. Sou louca e rio de muita coisa que pessoas ditas “normais” iriam passar o dia inteiro procurando a graça. Mas eu também não estou nem ai. É normal eu sair rindo de uma placa de carro ou de algo escrito na parede e beleza. Sei meus limites também, não é porque não ligo para o que algumas pessoas pensam que vou sair por ai vestida de muita coisa ou com nada. Sei muito bem me portar e não parecer uma psicopata. Infelismente apenas poucas pessoas realmente me conheçem, pois nem todas tem a curiosidade de conhecer ou porque sei que nem vale a pena. E quem me conheçe sabe que não quero o mal de ninguém, aliáis, posso deixar de fazer algo simplismente porque alguém precisa de mim. Prefiro estar meio mal mas cercada de amigos felizes do que com ótimo humor cercada de gente deprê. Acredite se quiser.

De normal? Bom, eu lavo as mãos.

Beeijos carinhosos e cheios de perfume

 

Anúncios

Pinóquio teimoso

Mentiroso e insistente. Eu simplismente odeio gente assim. Odeio, na minha opnião, é uma palavra forte, mas não há algo mais irritante do que você saber de toda verdade, de você ter visto tudo ou sei lá, de você quase ter filmado de tão presente que você esteve na mentira. E mesmo assim a pessoa querer insistir interminantemente que você está errado, ele está certo e ponto final.

Já é a segunda vez que isso acontece comigo: eu sei da verdade apesar de não ter provas, mas sim de ter presenciado e/ou pesquisado, e querem falar que estou errada. Eu sei quando eu não tenho certeza das coisas e, certamente, tento ver se não cometi um equívoco, pois ninguém é perfeito. Mas uma coisa é bem diferente da outra.

Exemplo: Você está na casa de uma amiga sua e derrepente seu suposto namorado vem falar com ela no msn. Ok. Ai ele começa a conversar com ela e no fim solta um pedido de um encontro, de uma ficada. Você viu ele falando e tem certeza de que ninguém está se passando por ele, pois reconhece o modo que escreve e sabe que ninguém tem a senha dele. Tempos depois, após muita coisa ter acontecido e você nem estar mais com ele, vocês voltam nesse assunto e você – sem poder dizer que viu ele falando com sua amiga, pois prometeu segredo absoluto disso – diz que sabe que ele nunca foi um completo santo. E ele insiste que nunca xavecou nehuma menina enquanto estava contigo. Agora me diz uma coisa: Que imagem você vai ter dele? Rá! A pior, pois vê que nem depois de não ter nada com ele, ele insiste em ainda mentir para você. Tirem suas próprias conclusões.

Prefiro uma verdade dolorida à uma mentira confortável. – Peguei essa frase em algum lugar.

Kisses on your heart