Amarga nostalgia

Toda vez que eu chegava na casa dele, era recebida com um abraço caloroso e com seu sorriso. Ele era o tipo de pessoa que gosta de fazer coisas com as mãos. Fazia brinquedos de madeira, cadeirinhas, consertava as coisas de casa e tinha uma coleções de botões de camisa, que ficava dentro de uma gaveta unidos por um arame. Suas feições são fortes em minha mente. Seu óculos quadrado e seu cheirinho de pessoa idosa – mas não tanto. Eu poderia dizer que gostava dele, mas não seria verdade, porque eu ainda gosto. Ele se mudou, não o vi mais. Algum motivo fez com que minha única conexão com ele se perdesse. E agora… me resta essa saudade, profunda, dolorida, ardente. Ninguém sabe, mas eu sinto muita saudade dele. E uma das coisas que eu desejaria é um abraço dele, sem necessidade nenhuma de palavras. Porque ele não está aqui? Porque não está me abraçando agora? Falando o quanto eu cresci? Me contando sobre alguma coisa? Lembro de quando ele ia para fora, no jardim fumar, sem nenhum motivo especial a não seu eu. Não queria que eu sentisse a fumaça. E eu ficava olhando pela janela, ele olhava os pássaros, falava o quanto tal flor era bonita e que uma árvore ficaria ótima naquele espaço. Dói, dói demais não saber dele, se está feliz, passando bem ou se está em um lugar melhor. Só queria um abraço dele… só um bastaria pra compensar todos esses anos. Só um.

Ela é bonita

Sim, ela é bonita. Nos seus atos ela se revela alguém bom, sincero, simples. Na minha opnião, é graças a ela que somos bonitos. Interior e exteriormente. Cada um do seu jeito. Eu a tenho, você tem, seu amigo tem, sua mãe e seu tio. Todos temos. Quando estamos bobos – lê-se apaixonados, idealizamos alguém que não a contém. Por que? Porque tudo o que buscávamos nós encontramos. Assim que funciona, mesmo não sendo totalmente racional. Nossa, mas ela é realmente linda não é? Sua habilidade de nos tornar seres únicos. Obrigada imperfeição.

E só

Hoje eu só queria te abraçar, dizer que tudo se resolve e pronto. Te dar um beijo e falar que alguns obstáculos são feitos para nos tornar mais fortes – e você sabe disso. Mas agora eu posso te dar minhas palavras, tentar te tranquilizar e dizer que tudo ficará bem.

Desabafo

E de novo eu tento me desculpar por brigar com você (mesmo que essa discussão tenha sido somente em minha mente). A culpa é sua, não adianta negar. Desde sempre me acostumou mal, sempre me dando seu amor quase que exclusivamente, mesmo que você estivesse em um relacionamento sério, eu sempre fui tratada com mimos, sempre a sua amiga mais especial. No espetáculo do seu coração, eu era uma – quase única – personagem principal. Enquanto as outras vinham e iam, eu sempre estive ali. Agora uma outra personagem principal chegou, e chegou para ficar. O que me importa mais é sua felicidade, mas agora meu egoísmo tomou conta e meu coração quase que não admite que alguém possa ser mais especial que eu. Fico dividida em dois lados, o que te quer ver sempre feliz e o lado ruim, o que não pode suportar nem ver o nome dela.

Estou tentando – quase que lutando – para que essa raiva, esse ciúmes olhe para si mesmo e veja o quanto ele é feio, o quanto é infantil. Infelizmente não é tão fácil quanto falar. Essa luta vai continuar e eu espero – e ao mesmo tempo não espero – que você veja o que está acontecendo. Talvez você compreenda, ou talvez não. Mas seria muito ruim saber que você não liga e acha tudo uma bobagem, rir de tudo isso. Eu mesma acho super infantil! Porque uma menina que carrega praticamente 16 anos nas costas está agora com um ciúmes tão tolo assim?

Talvez seja porque você foi sempre minha fortaleza, meu consolo quando tudo estava no chão. Mesmo você talvez nem sabendo, foi justamente você que me levantava e ainda fazia-me rir de tudo. Você ainda me ajuda, mas como pedir conselhos sendo que desta vez é justamente sobre você? Acho que tenho até vergonha de falar com outras pessoas para pedir ajuda. Elas não entenderiam toda essa tolice minha.

Por isso escrevo aqui, tentando colocar para fora da melhor maneira, de um jeito que eu me sinta mais leve e que talvez você entenda que só estou diferente esses dias porque não estou sabendo administrar bem certas emoções, e não porque deixei de te admirar, de te amar. Se for pra admitir tudo, digo agora que sou egoísta mesmo, pois queria toda essa sua amizade pra mim. Nesse espetáculo, compreendo que não há apenas um papel principal, mas gosto de imaginar que sou a mais importante. E todo esse egóismo um dia vai acabar, eu sei. Sou uma idiota.